poesias

Fascinio, Poemas y Poesia - Su Poema Publicado

Poema Fascinio (Leído veces)

Por liliana maciel - fascinio


gostaria de saber se o tinham publicado, digam-me por email, obrigado

Dedicado a: A alguém fascinante

03/01/07 – 4ª feira 19h

O que faço com estes sentimentos
Ternura, carinho e admiração
Estremecendo o meu corpo
Aquecendo-me o coração.

Luto contra esta loucura
Que me invade o coração
Estou ficando louco
E não encontro solução

Tua voz soa alto
No ruído da multidão
Meu ouvido fica alerta
A tão grande emoção

O coração prega partidas
Sem o ser humano querer
Trai-nos com sentimentos
Que nos faz querer ter

Algo tão diferente
Do dia a dia vulgar
Arrancando da rotina
Algo que nos faça vibrar

Preciso por ponto final
A tamanha imensidão
Abafar meus sentimentos
Controlar esta ilusão

Deleito-me a observar
Tua forma de ensinar
Pequenos seres inocentes
Que querem saber nadar

Corpos que deslizam na água
Ondulando como serpentes
Fortalecendo seus músculos
Descontraindo suas mentes
04/01/07 – 5ª feira – 19 h

Penetra em mim a nostalgia
De longe de ti me encontrar
Acalma-me pensar então
Que logo, logo vou te olhar

Quero poder olhar-te bem fundo
Mesmo sem nada querer dizer
Imaginando o quão profundo
Um ser pode querer ser

Ás vezes dos teus olhos fujo
Por não te querer perturbar
Mas quão difícil é para mim
Os meus olhos controlar

Queria ser teu amigo
Oh! Doce ilusão a minha
Tens tua vida, outros amigos
Uma família diferente da minha

Tua vida desconheço
Conheço pouco de ti
O que sei me basta
Para querer-te aqui

Admiro teu sorriso sincero
Tua forma de dançar
Tua personalidade forte
E tua maneira de falar

21/01/07-Domingo 16 h

Deitado nas pedras da praia
Vagueando pelo céu nublado
O pensamento esvoaça suave
Beijando teu rosto imaginado

Pelas asas do pensamento
Vejo o teu olhar expectante
Teu sorriso alegre e confiante
E desejo estar aí nesse instante

Sentir meu coração galopar
Nas asas intensas da loucura
Sentir todo este turbilhão
Revelar-te esta minha ternura

As ondas batem nas pedras
Com raiva e muita doçura
Igual ao sentir do meu ser
Nesta intensa procura

Procura em descobrir
Teus sonhos e desejos
Teu sentido da vida
Teus profundos anseios

Queria poder penetrar
Teu coração de mulher
E conseguir descobrir
O mais intimo do teu ser

Quero ter-te junto a mim
Neste momento no tempo
Poder olhar-te e falar
Palavras que sinto cá dentro

Palavras que não te direi
Nesta nossa realidade
Não quero perder
Tua suave amizade
29/01/07-2ª feira 19h

Sinto-me hesitante
Não sei o que fazer
Não sei se te digo
O que fazes ao meu ser

Olho-te de longe
Sinto-me entristecer
Meu coração magoado
Anseia por te dizer

Dizer-te tantas coisas
Que nem eu sei quais
Coisas da minha alma
Coisas sem outras iguais

Mesmo se dos teus olhos fujo
Não deixo de pensar em ti
Meus neurónios comunicam
O muito que sentem por ti

Preciso parar
De poemas escrever
Não sei o que se passa
Para não o poder fazer

É difícil controlar
Meus dedos, minha mão
É difícil controlar
O que me vai no coração

Escrevo o que sinto no tempo
No tempo em que penso em ti
Neste meu tempo intemporal
No tempo em que te conheci

É loucura, é inspiração
Algo sentido fortemente
Que me dá motivação
Para ser eu livremente
04/02/07-Domingo 3 h

Fecho os olhos e vejo
Teu rosto sorridente
E deixo-me invadir
Por este doce sentimento

Não sei como hás-de reagir
Se souberes o que sinto
Por isso tenho medo
De o te dizer simplesmente

No entanto reconheço
Que tu mereces saber
Que existe mais alguém
Que te adora sem o querer

É difícil decidir
Se te digo ou não
Não precisas saber
O dono deste coração

Sentiria vergonha
Se isso um dia acontecer
Por favor não tentes
O meu eu descobrir

Desejo-te tudo no mundo
Neste mundo de loucuras
Que sejas eternamente feliz
E consigas ter o que procuras.

Por favor peço desculpa
Não te quero perturbar
Só queria que soubesses
O importante que é para mim
A tua amizade conservar

01/03/07-5ª feira 19 h

Olho o teu lugar vazio
Sinto saudades de te ver
Fecho os olhos e penso
Que não consigo esquecer

Esquecer que fui estúpido
Em meus poemas te enviar
Porque sinto que algo mudou
Na magia desse teu olhar

Fico pensativo e calado
Quando a teu lado estou
Não consigo me libertar
Desta vergonha que ficou
Gostava de ser criança
Estar aí ao teu lado
Poder receber mimos teus
Olhar-te e sorrir-te “babado”

Preciso que me olhes e sorrias
Para o meu coração se alegrar
Poder assim desaparecer
Todo este meu pesar

Conhecemo-nos há tão pouco
Não entendo o que acontece
Pois continua este fascínio
Que me aquece e entristece
02/03/07-6ª feira 19 h

Olhas para mim e penso
Minha estupidez te perturbou
Lamento o sucedido
Nosso convívio se alterou

Sinto-me envergonhado
Ansioso e atormentado
Por ter sido tão estúpido
Por te ter perturbado

Gostava de recuar no tempo
Ter controlado minha mão
E o dedo que carregou
Naquele maldito botão

Gostaria de ter travado
Minha estúpida impulsividade
Tudo seria diferente agora
Se a tivesse controlado

O que posso eu fazer
Para que tudo seja mudado
Para que voltes a olhar-me
Com doçura e amizade

Não me arrependo pois
Dos poemas ter-te escrito
Arrependo-me sim
Que os tivesses lido

O tempo não recua
Para nossa infelicidade
Espero poder alterar
Toda esta ansiedade 06/03/07-3ª feira 19 h

Quero conseguir destruir
Esta perturbadora sensação
Poder olhar-te simplesmente
Com ternura e admiração

A vida já é tão complicada
Somando as partidas do coração
Tudo se torna mais complexo
Numa simples relação

Sinto-me perdido no tempo
Neste meu tempo actual
Preciso reencontrar-me
Mesmo que nada seja igual
10/03/07-Sábado 3 h

Hoje senti-te triste
Inquieta e ausente
Desejei confortar-te
Nesse preciso momento

Sentires-me a teu lado
Poderes em mim confiar
Abrires teu coração
E eu poder-te animar

Dizer-te palavras ternas
Que ajudasse a descontrair
Suavizasse essa inquietude
Que te impedia de sorrir

Deixar que desabafasses
Tuas mágoas e tristezas
Poder ajudar-te a explicar
Todas as tuas incertezas
24/03/07-Sábado 4h

Ontem senti-me triste
Necessitei de te ver
Esqueci tudo o resto
E procurei o teu ser

Olhei-te de longe e senti
Toda a minha perturbação
A ansiedade acelerou
O bater do meu coração

Minha tristeza aumentou
Senti-me só e carente
Desejei a tua amizade
E que tudo fosse diferente

Porque não posso ter
A tua amizade constante
Porque não posso ter
Esse teu riso fascinante?

Senti toda a minha revolta
Impulsivo, levantei-me e sai
Olhei-te uma vez mais
E o teu rosto sério eu vi

Queria poder descobrir
O que estarias a pensar
O que esconde esse olhar
Que não consigo decifrar

14/05/07-2º feira 19h

Agradeço simplesmente á vida
O facto de te ter conhecido
Provocaste metamorfose
No meu ser adormecido

Tornaste-me uma pessoa melhor
Lentamente, sem me aperceber
Pois agradeço a ti e á vida
Este meu renovado amanhecer

Esta gostosa metamorfose
Que conseguiste me provocar
É tão forte e perturbadora
Que a quero conservar

Cada ser humano é único
Com desejos e emoções
Cada um de nós procura
O mundo das sensações

Quando não poder andar
Não ouvir e nem falar
Tua imagem permanecerá
Na doçura do meu olhar
09/07/07-2º Feira 17h 30

Um ano se passou
Continuo sem entender
Porque disparou meu coração
Quando viu o teu ser

Sinto-me totalmente ridículo
Por não conseguir esquecer
Esta inquietante sensação
Que, até me ajuda a viver

Queria ter coragem
De um dia te questionar
O que pensas de mim
O que diz o teu olhar?

O não saber o que pensas
Angustia-me sem o querer
Será que consegues sentir
O quanto perturbas o meu ser

31/07/07-3ª Feira 21,30

Teu olhar sorriu-me e brincou
Teu rosto se iluminou
Meu ser sedento, rejubilou
Por segundos o tempo parou

Foi um momento mágico
Algo quente e ternurento
Percorrendo o meu corpo
Dando-me um novo alento

Essa magia permaneceu
Por tempo indeterminado
Fez-me desejar novamente
Ser teu amigo de verdade

O amigo que não se vê
Mas está sempre presente
Que afaga a tua mão
Se te sentes mais carente

O amigo que todos desejam
Mas que é difícil de se ter
Aquele que só com um olhar
Penetra no íntimo do teu ser

Aquele que sabe te fazer rir
Aquele que sabe te confortar
Aquele que só reclama de ti
Um sorriso, um mimo e um olhar

06/08/07-2ªFeira 16,30

Fecho os olhos e imagino-te
A música soa docemente
A magia da tua dança
Aguça-me o pensamento

Retenho a tua imagem
Sinto o brilho do teu olhar
Ouço o som da tua voz
Delicio-me com o teu dançar

Ao longe alguém me chama
Tua imagem se desvanece
Regresso á minha realidade
E a saudade permanece

Queria ter asas e voar
Na brisa do mar mergulhar
Na meiguice do teu colo pousar
E esta saudade poder saciar
23/08/07-5ª feira 16h

O destino aproximou-nos
Como duas pessoas normais
Mas a vida intrometeu-se
Tornando-nos especiais

Enfrento-me a mim mesmo
Reflectindo a realidade
Peço somente à vida
Teu sorriso, tua amizade

Porque merecemos
Esta oportunidade
De sermos amigos
Amigos de verdade

Só depende de ti mesma
Do que sentes, do que queres
Sentes-me alguém especial?
Ou alguém como outro qualquer

Talvez um dia… quem sabe
O digas com palavras sentidas
O que sentes, o que desejas
O que acrescentei à tua vida

Porque cada ser humano é único
Interagindo com cada um de nós
Deixando-nos um pouco de si
E levando um pouco de nós

O que levaste de mim?
O que posso ainda te dar
O que nos reserva a vida
Neste constante rodopiar

16/09/07-Domingo 17h

O que tu quiseres, eu quero
O que tu disseres, eu escuto
O que tu pedires, eu tudo dou
Pela tua doce amizade eu luto


Por liliana maciel - fascinio



SerPoeta.com es la mayor comunidad de habla hispana en donde las personas publican sus poemas. Por ello nos sentimos orgullosos en dar a conocer y difundir los hermosos poemas aquí publicados.
Asimismo, debido a la creciente participación de poemas en portugués hemos implementado nuevas secciones en esta bella lengua.

SerPoeta.com es una comunidad para todos los poetas libres, aficionados o profesionales que desean publicar libremente sus poemas para compartirlos, difundirlos y dedicarlos.

Actualmente SerPoeta.com cuenta con un creciente número de personas que diariamente publican, así como un creciente grupo de miles de personas que acceden día a día a leer los poemas publicados.

SerPoeta.com respeta la redacción y ortografía de los poemas enviados considerándolo como licencias del autor o poeta.