poesias

A MORTE É O FIM DE TUDO, Poemas y Poesia - Su Poema Publicado

Poema A MORTE É O FIM DE TUDO (Leído veces)

Por Jorge Humberto


Nascemos, morremos e depois nada.
Há quem julgue sua vida reencarnada,
Por um dá cá aquela coisa, hábitos
De séculos, que nos torna estrábicos.

A morte tira e não devolve, é inteiriça.
E se acaso fogo ou enxofre nos atiça,
Nos últimos suspiros, é para que não
Esqueçamos que a vida é uma suposição.

Nada nos salva aqui, em chegando
A hora, e, até mesmo prevaricando,
Todos são iguais em chegando a hora,
E a morte acenando, nunca demora.

A morte é definitiva, não somos nem luz
Nem reencarnação, e se isto bem seduz,
É porque eles não sabem nem pensam,
Que a vida é um estado em que adensam

A curiosidade e o misticismo romanesco,
Proliferando a fantasia e o incesto,
Fazendo de nós bonecos de lama,
E nem temos direito à nossa própria cama.

Jesus disse: ergue-te e caminha! como,
Se a morte já foi certeza; não há tomo
Que valha, para justificar tal disparate,
Mais parecendo revista de escaparate.

Jorge Humberto
19/08/07


Por Jorge Humberto



SerPoeta.com es la mayor comunidad de habla hispana en donde las personas publican sus poemas. Por ello nos sentimos orgullosos en dar a conocer y difundir los hermosos poemas aquí publicados.
Asimismo, debido a la creciente participación de poemas en portugués hemos implementado nuevas secciones en esta bella lengua.

SerPoeta.com es una comunidad para todos los poetas libres, aficionados o profesionales que desean publicar libremente sus poemas para compartirlos, difundirlos y dedicarlos.

Actualmente SerPoeta.com cuenta con un creciente número de personas que diariamente publican, así como un creciente grupo de miles de personas que acceden día a día a leer los poemas publicados.

SerPoeta.com respeta la redacción y ortografía de los poemas enviados considerándolo como licencias del autor o poeta.